DestaquesMercado da Bola do FluminenseÚltimas Notícias do Fluminense

Renato Augusto chorou antes de acerto com o Fluminense

Um dos primeiros reforços do Tricolor Carioca para a temporada de 2024, Renato Augusto, apesar de sua grande idolatria no Corinthians e de ter sido revelado pelo rival Flamengo, tem um passado interessante envolvendo o Fluminense, clube onde muitos alegam ser seu time de coração desde a infância, chegando a atuar pelo futsal do time.

Hoje, aos 35 anos, o meio-campista do Corinthians, que estava no clube desde 2021, não renovou com o time paulista, fazendo parte de uma lista de jogadores que não teriam seus contratos renovados devido ao alto salário e às condições físicas do atleta. Isso levou à sua assinatura com o Flu.

Para assinar com a equipe das três cores, o meia até mesmo aceitou uma redução salarial, fazendo uma contraproposta por dois anos de contrato, o que a diretoria concordou. Agora, o meia está encaminhado com um contrato que será válido até dezembro de 2025, acrescentando mais uma história do jogador envolvendo o Fluminense.

Renato chorou com a eliminação do Fluminense

Jogando no futsal da equipe Tricolor, algumas imagens de Renato Augusto com a camisa do Flu já estão espalhadas pela internet. Além disso, uma história envolvendo a Copa João Havelange de 2000 também foi trazida à tona, com o ex-camisa 8 do Corinthians sendo flagrado chorando pelo ex-jogador do São Caetano, Adhemar, durante um programa.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Em um vídeo de 2019 no programa ‘Boleiragem’, Adhemar, ex-jogador do São Caetano, revelou que o meia chorou numa eliminação do clube em 2000. Na ocasião, o São Caetano venceu por 1×0 no Maracanã, eliminando o Flu da competição nacional em 2000, já que o primeiro jogo havia sido 3×3 em São Paulo, o que gerou o icônico episódio.

“Outro furo de reportagem ali no Maracanã. Encontrei o Renato Augusto, um cara fantástico. Ele falou que chorou aquele dia porque era gandula. Era gandula. O Fluminense deixava os gandulas (ficarem no jogo). Ele estava no meio-campo. Quando ele viu essa bola no meio, pensou que “esse baixinho era doido”. Disse que fez ele chorar aquele dia” – Contou Adhemar durante o programa.

Na época em questão, Renato tinha 12 anos e já fazia parte do futsal Tricolor. Agora, anos depois, ele retorna ao time para defender a equipe sob o comando de Fernando Diniz. Durante o período em que defendeu o Flu, foi bicampeão estadual, com a primeira conquista acontecendo no Ginásio Tio Sam, em Niterói.

Leonardo Simões

Trabalhar com futebol é algo que hoje é minha maior realização, por mais que em outras áreas eu tenha uma boa qualidade é no futebol que eu me identifiquei.Também sou apaixonado por basquete e sempre tento acompanhar todas as ligas, sendo bem antenado a acompanhar diversos esportes além do futebol.Antes de trabalhar com futebol fiz diversos trabalhos, sendo de atendente em shopping até vendedor em televendas, e principalmente após começar a faculdade de jornalismo decide rumar para a área esportiva.
Botão Voltar ao topo