Últimas Notícias do FluminenseDestaquesJogos e Partidas do Fluminense

Polêmica: MC Poze do Rodo se revolta e ataca John Kennedy

Atacante estava afastado por indisciplina

Reintegrado ao elenco de Fernando Diniz, John Kennedy voltou a fazer o que mais sabe: gols. Nesta quarta-feira (22), o atacante marcou um dos tentos da classificação do Fluminense para as oitavas de final da Copa do Brasil em cima do Sampaio Corrêa. No entanto, o cantor Poze do Rodo utilizou suas redes socias para tirar sarro da credibilidade dada aos torcedores tricolores ao camisa 9.

Depois de perder diversos jogos do Fluminense, o jogador de 21 anos garantiu a festa do público presente no Maracanã. Como resultado da redenção de John Kennedy, o perfil oficial do Tricolor das Laranjeiras fez uma postagem intitulando o atacante de “Menino Rei”. Insatisfeito com a comparação, Poze, que é torcedor declarado do Flamengo, disparou:

– “Porr@, calma ae, né? Fruminense, vcs só pode tá de marola, né? Menino Rei só existe o ORIGINAL. Porr@! Único e próprio. Vem não!!!” – escreveu o artista em seu perfil do X, antigo Twitter.

Com erros de grafia e o nome do Fluminense escrito de forma equivocada propositalmente, o tweet ganhou repercussão negativa. Para evitar ainda mais polêmicas, MC Poze decidiu deletar sua publicação, mas não se desculpou com o atleta.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Retorno de John Kennedy é comemorado

Em coletiva de imprensa após vencer o Sampaio Corrêa por 2 a 0, Fernando Diniz falou sobre a evolução de seus jogadores ao decorrer da temporada. No entanto, o comandante não deixou de pontuar sua felicidade em ver John passando por cima das polêmicas e mostrando suas habilidades com a camisa do Time de Guerreiros.

– “John Kennedy para mim é motivo de alegria. Atrás do John Kennedy tem uma história difícil e diferente. Vocês não têm acesso, porque para isso tem de conhecer o John Kennedy, conversar com ele. Já conversei com ele mais de 50 vezes. E queremos sempre ajudar. Têm muitas mãos ajudando. O trabalho central é pautado no humano. É uma pessoa que joga futebol, não uma máquina que joga futebol. É difícil, mas o que me dá mais prazer. É ajudar o John Kennedy a ele ficar grande do tamanho que ele precisa para desenvolver o talento que ele tem. Ele tem isso que é da pessoa, isso não se compra. Ele fez, fez, fez, e hoje todo mundo gritava pedindo para ele entrar.” – disparou.

Iara Alencar

Sou apaixonada por esportes, principalmente pelo futebol. Trabalho há cinco anos como redatora esportiva e publico matérias sobre as principais ligas da modalidade. Adoro escrever e estar por dentro de tudo que envolva o mundo da bola.
Botão Voltar ao topo