Últimas Notícias do Fluminense

Samuel Xavier crava qual time brasileiro é mais forte do que o Manchester City

Após o importante título da Copa Libertadores da América 2023, o Fluminense alcançou a decisão do Mundial de Clubes, enfrentando o gigante Manchester City. Mesmo com grandes expectativas, o clube carioca acabou sendo derrotado por 4 a 0. Para Samuel Xavier, mesmo pela grandeza do encontro, a equipe inglesa não foi a mais difícil que já enfrentou na carreira.

Em entrevista à TNT Sports, o lateral-direito reconheceu as qualidades da equipe comandada pelo espanhol Pep Guardiola, mas garante ter encontrado grandes concorrentes no futebol brasileiro, citando o Santos de Ganso, Neymar e Robinho. “Joguei uma vez contra Santos de Ganso, Neymar, Robinho. Eles tinham toque de bola e o individual”, iniciou Samuel Xavier.

“Eu marquei o Grealish. Pelo menos naquele jogo, não foi muito no um pra um. Peguei um Santos que a bola ia no Ganso, ele tocava de primeira, Wesley tocava de letra, Neymar dando chapéu, Robinho pedalando. Era mais difícil que esse time do City. Não tirando o mérito. De forma alguma. Eles com a bola no pé, a gente tentava pressionar, eles já achavam um espaço”, revelou.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Samuel Xavier comenta postura do Fluminense contra o City

O profissional confessa que o resultado representava a grande diferença entre City e Fluminense, no entanto, completa a importância da individualidade dos que atuavam com a camisa do Santos. Mesmo com a derrota, o encontro contra a equipe na decisão do Mundial, segue de maneira marcante ao clube. Na temporada de 2024, o clube carioca ficou com a taça da Recopa Sul-Americana.

“Pelo resultado, né? Parece. Mas não foi a equipe mais difícil. O City joga em conjunto. A bola roda muito, todos os jogadores pegam na bola, jogam em velocidade, fazem a gente balançar as linhas. O gol muito no início atrapalhou um pouco. A equipe se portou bem. A gente conseguiu sair, faltou chegar melhor e ser mais eficaz para finalizar. Aqui no Brasil tem jogos muito mais difíceis”, disse.

Isadora Reis

Estudante de jornalismo, torcedora assídua do futebol nacional e apaixonada por escrever sobre esportes.
Botão Voltar ao topo