Últimas Notícias do Fluminense

Fluminense x Vasco será remarcado após pênalti de Manoel não ser marcado?

No último sábado (20), o Fluminense recebeu o Vasco da Gama no Maracanã, em confronto válido pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro. Aproveitando a força do torcedor, o Tricolor acabou vencendo por 2 a 1, garantindo mais três pontos na tabela. Contudo, como geralmente acontece em clássicos, algumas polêmicas marcaram o encontro do final de semana.

Entre as maiores reclamações, está um possível pênalti. Aos 14 minutos do 1° tempo, Vegetti recebeu passe cruzamento, finalizou e a bola acertou o braço de Manoel, dentro de sua área. Contudo, na visão de Wilton Pereira Sampaio, o jogo deveria seguir normalmente e não recebeu orientação para checar o lance no VAR, comandado por Rodolpho Toski Marques.

O portal UOL entrevistou ex-árbitros, com o intuito de confirmar ou não a decisão da arbitragem. “O Manoel estava tão no contexto da jogada que se considera que estava disputando a bola e, desta forma, seu braço estava em posição compatível com o movimento. O Vegetti também não está com os braços junto ao corpo. Não foi infração, mas o que se pratica no Brasil é outra história”, disse, Manoel Serapião.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Árbitros saem em defesa de atleta do Fluminense

Para grande parte dos profissionais, o lance não se caracterizaria em pênalti, algo positivo para a arbitragem da partida, que se desdobrou da melhor maneira naquele momento. Emidio Marques ainda ressaltou a maneira como a bola bate no braço de Manoel, garantindo que o profissional do Fluminense segue em posição natural.

“A bola chutada pelo Vegetti vai ao encontro do braço do Manoel de forma acidental e nunca intencional. Além disto, o Manoel está em posição natural e com o braço abaixado, não levantado. Não foi criada uma área que pudesse ser usada como benefício. A atitude do Wilton foi correta e, pelo protocolo do VAR, não cabe interferência, já que deve predominar a interpretação do que aconteceu no campo.”

Isadora Reis

Estudante de jornalismo, torcedora assídua do futebol nacional e apaixonada por escrever sobre esportes.
Botão Voltar ao topo