Últimas Notícias do FluminenseDestaquesJogos e Partidas do FluminenseMercado da Bola do Fluminense

Fluminense trouxe jogador para ser o reserva imediato de Cano

Atleta tem currículo extenso de indisciplina

Uma das maiores contratações do Fluminense nos últimos anos fica sob a responsabilidade de Germán Cano. Com um futebol fora de curva e uma qualidade técnica invejável, o argentino logo se consagrou como ídolo da torcida tricolor. No entanto, para reforçar o sistema ofensivo, o Time de Guerreiros solicitou a chegada de John Kennedy, que estava emprestado à Ferroviária.

Devido aos casos de indisciplina praticados nos bastidores do Tricolor das Laranjeiras, o reserva de Cano foi emprestado ao clube paulista no final de 2022. Voando em campo no estadual e com a cabeça no lugar, o camisa 9 retornou a Xerém para uma nova chance com a camisa do Fluminense. Como resultado de seus esforços, o atacante de 21 anos foi fundamental na conquista da Libertadores da América de 2023.

Apesar das oscilações apresentadas ao longo da atual temporada e os frequentes tropeços indisciplinares, o jovem atacante voltou a pedir espaço entre os escolhidos pelo técnico Fernando Diniz. Em resumo, no ano de 2024, John entrou em campo 11 vezes, sendo titular em três partidas, além de ter marcado dois gols e faturado a Recopa Sul-Americana.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Fluminense de olho no atacante

Criticado por parte da torcida e perdendo gradativamente a confiança dos companheiros de equipe por desrespeitar as vestes branco, verde e grená, John Kennedy foi reintegrado ao elenco principal do Fluminense e ganhou o apoio de Diniz. Para o comandante, é importante dar novas chances a quem precisa de uma atenção maior, mas é necessário impor limites para que a indisciplina não vire rotina.

“O John Kennedy, para mim em especial, é um motivo de alegria, o retorno dele. É mais uma oportunidade que a vida dá para ele e para a gente, porque é nessa relação que ele está se construindo. E é muito difícil ser o John Kennedy, porque por trás tem uma história difícil e diferente. E a gente sempre quer estender a mão e ajudar…O problema é muito mais psicossocial do que técnico, tático e físico. E a gente tem um olhar muito distorcido para isso. Meu interesse maior é que ele performe, mas que ele tenha uma vida depois dos 35 anos” – pontuou o treinador.

Iara Alencar

Sou apaixonada por esportes, principalmente pelo futebol. Trabalho há cinco anos como redatora esportiva e publico matérias sobre as principais ligas da modalidade. Adoro escrever e estar por dentro de tudo que envolva o mundo da bola.
Botão Voltar ao topo