Últimas Notícias do Fluminense

Ex-treinador do Fluminense fala verdades sobre o goleiro Fábio

Ainda na temporada de 2022, o Fluminense anunciou oficialmente a contratação do goleiro Fábio, sendo o oitavo reforço do time naquele ano. A chegada do ídolo do Cruzeiro se tornou uma grande surpresa no futebol nacional, principalmente pela maneira como o profissional se despediu do time mineiro. Livre no mercado da bola, o Tricolor não perdeu tempo e garantiu um contrato de um ano.

Desde sua chegada, o goleiro tem acumulado destaque e é alvo de elogios. Desta vez, quem reconheceu a importância do atleta foi o ex-treinador do Fluminense, responsável pelo comando nos entre 2006 e 2007, o técnico Paulo César Gusmão. O profissional concedeu uma entrevista ao programa “Charla Poscast” e comentou sobre a sua relação com o goleiro Fábio.

Vale ressaltar que eles já atuaram juntos pelo Vasco da Gama. “Isso é tranquilo (sobre quem é o melhor goleiro atuando no Brasil), eu falo pra você que é o meu filhão, é o Fábio”, disse PC Gusmão em um primeiro momento. “Ele tem longevidade em função de que ele tem uma grande família, que apoiou ele em todos os momentos”, comentou PC.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Goleiro do Fluminense enfrentou fase conturbada

PC também aproveitou a oportunidade para relembrar o passado do goleiro do Fluminense, que ainda em seu início, quando os dois trabalhavam juntos, vivia fase complicada. Fábio “tinha uma vida paralela bem atrapalhada”, revelou. O técnico ainda comentou sobre a importância da estrutura familiar para que o atleta seguisse seu destino. As histórias marcavam a passagem pelo Vasco.

“O Fábio foi meu goleiro no Vasco em 2000. Ele fumava, bebia, tinha uma vida paralela bem atrapalhada. Mas tinha muito potencial, e eu apostei nele, trazendo o Fábio pra cá, segurando o Fábio. Ele tinha um percentual de gordura sempre alto, encontrei com ele agora no Ceará , ele tá todo definido, tá forte, e precisa disso pra jogar em alto nível. A única coisa que eu lamento na carreira dele é ele não ter tido uma oportunidade na seleção brasileira.” – completou.

Isadora Reis

Estudante de jornalismo, torcedora assídua do futebol nacional e apaixonada por escrever sobre esportes.
Botão Voltar ao topo