Últimas Notícias do FluminenseDestaquesFluminense no BrasileirãoJogos e Partidas do Fluminense

Ex-presidente do Fluminense faz grave comentário sobre Fernando Diniz

Treinador acumulou quinta derrota na Série A

No último sábado (15), o Fluminense conheceu sua quinta derrota no Campeonato Brasileiro. Apesar dos esforços, o elenco comandado por Fernando Diniz não conseguiu garantir os três pontos diante de um Maracanã tomado por cobranças. Em coletiva de imprensa, o treinador reafirmou seu compromisso com a melhoria do desempenho coletivo, mas foi duramente criticado por Celso Barroso, ex-vice-presidente tricolor. 

Por meio de suas redes sociais, o antigo mandatário fez um levantamento de como Fernando Diniz se saiu em conversa com os jornalistas. Para Barroso, as respostas do treinador foram genéricas, mostrando que todo o elenco precisa de uma restruturação terapêutica para organizar melhor as ideias.

“Na entrevista coletiva o técnico Diniz, também mostrou-se desorientado, sem nenhuma condição de responder a alguns questionamentos feitos pelos jornalistas. É possível que o time Diniz e a família tricolor da qual ele é o grande patriarca, precisem fazer várias sessões de terapia de grupo! Viva o Flu!!!”, escreveu o ex-presidente.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Diniz se nega a mudar estilo de jogo do Fluminense 

O estilo apresentado por Fernando Diniz logo ganhou evidência no futebol nacional por sua experiência na posse de bola. Apesar do “Dinizismo” ter colocado muitos adversários no bolso, atualmente é visto como uma performance ultrapassada e sem resultados. Diante dos comentários inferiorizando seu trabalho, o treinador esclareceu que não há motivos para alterar a rota de todo o seu planejamento dentro das quatro linhas. 

“Desde que comecei a minha carreira em 2009, essa é a pergunta (mudar o estilo de jogo) que eu mais ouvi. Talvez você queira que mude. Você já me ouviu muitas vezes falar sobre isso. É uma pergunta oportunista. Quando ganhamos, é um remédio. Quando perdemos, é um veneno. Não é nem remédio, nem veneno. É um jeito de jogar. É o jeito que alguém acredita, se dedica uma vida”, disparou o treinador. 

Iara Alencar

Sou apaixonada por esportes, principalmente pelo futebol. Trabalho há cinco anos como redatora esportiva e publico matérias sobre as principais ligas da modalidade. Adoro escrever e estar por dentro de tudo que envolva o mundo da bola.
Botão Voltar ao topo