Últimas Notícias do FluminenseDestaquesJogos e Partidas do FluminenseMercado da Bola do Fluminense

Diniz será mandado embora do Fluminense? Jornalista faz revelação bombástica!

Treinador tem oscilado a cada partida

No último sábado (15), o Fluminense foi derrotado pelo Atlético Goianiense por 2 a 1, no Maracanã, em jogo válido pela nona rodada do Campeonato Brasileiro. Por ter vencido apenas uma partida na competição nacional, o jornalista Victor Lessa confirmou que Fernando Diniz teve sua permanência questionada por dirigentes tricolores em longa reunião. 

Por meio de seu canal no YouTube, o comunicador informou que Diniz não é mais unanimidade nos bastidores de Xerém. Sobretudo, o presidente Mário Bittencourt, o vice-presidente geral Mattheus Montenegro, o diretor-executivo de futebol Paulo Angioni e o diretor de planejamento esportivo Fred estiveram reunidos com o treinador. 

Apesar da pressão externa, o comandante seguirá orquestrando Germán Cano e companhia. Contabilizando todas as competições disputadas na atual temporada, Diniz orquestrou 27 partidas, das quais venceu 10, empatou oito e novo confrontos acabaram com o empate prevalecendo. Em contrapartida, a posse de bola não foi empecilho para brecar o sistema ofensivo do adversário, que foi capaz de marcar 33 gols e sofrer 34 tentos. 

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Diniz se nega a mudar estilo de jogo do Fluminense 

O estilo apresentado por Fernando Diniz logo ganhou evidência no futebol nacional por sua experiência na posse de bola. Apesar do “Dinizismo” ter colocado muitos adversários no bolso, atualmente é visto como uma performance ultrapassada e sem resultados. Diante dos comentários inferiorizando seu trabalho, o treinador esclareceu que não há motivos para alterar a rota de todo o seu planejamento dentro das quatro linhas. 

“Desde que comecei a minha carreira em 2009, essa é a pergunta (mudar o estilo de jogo) que eu mais ouvi. Talvez você queira que mude. Você já me ouviu muitas vezes falar sobre isso. É uma pergunta oportunista. Quando ganhamos, é um remédio. Quando perdemos, é um veneno. Não é nem remédio, nem veneno. É um jeito de jogar. É o jeito que alguém acredita, se dedica uma vida”, disparou o treinador. 

Iara Alencar

Sou apaixonada por esportes, principalmente pelo futebol. Trabalho há cinco anos como redatora esportiva e publico matérias sobre as principais ligas da modalidade. Adoro escrever e estar por dentro de tudo que envolva o mundo da bola.
Botão Voltar ao topo